CBOT: soja tende a abrir em queda com tensão entre EUA e China

Os futuros de grãos devem começar o dia em direções distintas nesta quinta-feira, 2, na Bolsa de Chicago (CBOT). A soja tende a abrir em queda, com investidores atentos aos desdobramentos da guerra comercial entre Estados Unidos e China. Em paralelo, dados divulgados nesta quinta-feira, 2, pelo Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) mostram que as exportações da oleaginosa do país estão no ritmo esperado pelo mercado, porém, próximas do limite mínimo das projeções de analistas e os compradores chineses seguem com sucessivos cancelamentos do grão que seria adquiro dos EUA.

Mais cedo, o governo da China apelou para que os Estados Unidos mantenham e calma e “corrijam sua atitude”, após a ameaça americana de impor uma tarifa mais alta do que o antes mencionado sobre US$ 200 bilhões em produtos chineses, em uma disputa sobre política tecnológica. Porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Geng Shuang afirmou que a administração de Pequim está aberta ao diálogo, mas não deu indicação sobre o status das possíveis negociações. Além disso, acrescentou que, se necessário, o país irá retaliar para defender seus interesses.

Em contrapartida, o secretário de Comércio americano, Wilbur Ross, afirmou nesta quinta-feira que o presidente Donald Trump avalia que “potencialmente é a hora de elevar a pressão sobre a China” no comércio. Ross concedeu entrevista à emissora Fox Business.

Segundo o USDA, os exportadores norte-americanos venderam 93,7 mil toneladas de soja da safra 2017/18, já descontados os cancelamentos, na semana encerrada em 26 de julho. O resultado representa queda de 76% em relação à semana anterior e de 71% ante média das quatro semanas anteriores.

No caso do milho, a soma das vendas semanais feitas para as duas safras, que totaliza 1,278 milhão de toneladas, ficou dentro das estimativas de analistas consultados pelo The Wall Street Journal, porém, perto do limite máximo, visto que as projeções iam de 800 mil a 1,35 milhão de toneladas, fator positivo para os preços.

Além disso, o USDA reportou vendas de 382,5 mil toneladas de trigo da safra 2018/19, dentro das projeções do mercado, o que abre espaço para que os investidores sigam otimistas para os preços antes as perspectivas de clima adverso entre os produtores.

No overnight, o vencimento novembro da soja caiu 5 cents (0,55%), a US$ 8,9675 por bushel. O milho para dezembro subiu 3,25 cents (0,86%), a US$ 3,8275 por bushel, enquanto o vencimento setembro do trigo ganhou 8,25 cents (1,48%), a US$ 5,6650 por bushel.
DATA: 03.08.18

ÚLTIMAS NOTÍCIAS